Porque eu vou anular o meu voto no segundo turno!

Era 1989. Eu tinha 16 anos e votava para Presidente pela primeira vez na minha vida.

Nessa época eu estudava no Colégio Republicano e boa parte da minha familia, a começar pelo meu avô. O Republicano era (é) uma escola tradicional, calcada em conceitos familiares e respeito à Pátria. Desfilei muitas vezes no feriado da Independência do Brasil nas ruas do meu bairro vestindo as cores verde e branca Republicana.

Apesar desse perfil, o colégio tinha professores engajados na política socialista. Fui educado acreditando que o Socialismo era a solução das aflições do nosso País e do Mundo! Matérias como OSPB e Química ganhavam horas-extras em intervalos cravejados de discurso de Carl Marx e porque não Fidel Castro.

Nessa época, na Praça da Paz Celestial na China, cerca de 100 mil estudantes morriam enfrentando o Governo Comunista e abriam a discussão calorosa entre nós e os professores lá no colégio. Filosofia do “Livre pensamento” baseados no filme “A Sociedade dos Poetas Mortos” intensificavam ainda mais esse debate. Tudo isso ao som de “Patience” da banda americana Guns and Roses.

Essas eram nossas referências. Esse era o nosso mundo! Garotos de 16 anos prontos para escolher o nosso 1º Presidente eleito por voto democrático.

Fernando Collor foi eleito e passadas 5 eleições presindenciais, foi a primeira vez que votei num candidato diferente do Lula. A novidade realmente foi grande. Votei numa mulher. Votei em Marina Silva e ela ficou em 3º lugar, somando quase 20 milhões de eleitores por todo País (19,33%). Se fosse eleita eu acredito que seria uma boa líder e seu Governo não complicaria o que já estava dando certo tentando reinventar a roda.

Agora estamos no segundo turno e confesso que as palavras ditas pelo então candidato Plínio Arruda ainda ecoam na minha mente: “Seja qual for o resultado, seremos oposição!” Isso me fez repensar toda a minha vida eleitoral. Lembrei que sempre fui “oposição” junto com o PT. Depois veio a posição de Governo e depois a reeleição e hoje os papéis se invertem. O PT “não bate” mais em ninguém. Frases como “Lulinha paz e amor” não saiam das manchetes dos jornais no seu primeiro mandato e ainda hoje estão por aí.

A atual oposição, tão pouco acostumada nessa posição, se perdeu e continua perdendo. Não se organizou e se desmantelou mesmo com os “escândalos do Mensalão”! E o PT foi crescendo, avançando, inchando à ponto de ter uma das figuras mais mal preparadas como política que eu já vi na minha vida! Dilma Roussef. Ela gagueja, se perde em frases, enfim, não convence. Ela só está na posição que está por ser indicada pelo Lula e disso não há menor dúvida. O País cresceu para os menos privilegiados, mas cresceu muito pouco. Mas foi o suficiente para motivar a população mais carente a elege-la e estamos todos convencidos disso, inclusive o Serra, seu adversário.

A questão do momento são os debates de igual tempo. Muito blá-blá-blá e demagogia em baldes! Os discursos são óbvios e ensaiados. Ainda mais agora com o foco em temas mais polêmicos (aborto, casamento gay, etc.) em busca de eleitores que votaram na Marina no primeiro turno.

Eu andava tão desmotivado que não conseguia aceitar o fato de ter que optar por um dos dois candidatos. Pensava comigo mesmo: “Não posso escolher nenhum deles. Quero dar um destino mais nobre para o Brasil” e cheguei à conclusão que anular o meu voto É UMA OPÇÃO VÁLIDA SIM!

Durante todos esses anos eu sempre descartei a hipótese de anular um voto meu. Mas hoje tudo mudou. O Mundo mudou. A banda Guns and Roses não é mais a mesma, a China tenta, mas ainda não consegue; e o filme “Tropa de Elite 2” está em cartaz batendo recordes de audiência e vou parafrasear algumas de suas frases:

Serra, “O senhor é um Fanfarrão”! E Dilma “Pede pra sair”!

E termino com a frase que o Plínio disse na despedida do seu último debate: “Viva o Brasil”!


Porque eu vou anular o meu voto no segundo turno! was originally published in Eleitor Virtual on Medium, where people are continuing the conversation by highlighting and responding to this story.

1º Debate on-line com Presidenciáveis é cancelado

Para quem não ficou sabendo, aconteceria na próxima segunda-feira 26/07/2010 às 15h o 1º debate on-line Presidenciáveis idealizado pelos 4 maiores portais de conteúdo da Internet: IG, MSN, Terra e Yahoo!. O evento seria transmitido em tempo real nos 4 sites e contava com a participação efetiva do público que contribuiu com algo em torno de 10.000 perguntas até então para os candidatos.

Sem dúvida seria um momento democrático histórico do nosso país! Eu disse “seria” porque os candidatos José Serra e Dilma Rousseff cancelaram a sua participação aos “45 do segundo tempo” mesmo depois de já confirmarem previamente a sua presença.

A organização do evento colocou uma nota oficial no site e segue abaixo uma parte do texto:

“A candidata Dilma recusou o convite oficialmente na terça-feira e hoje, no início da noite, depois de confirmado presença formalmente, a coordenação de comunicação da campanha do candidato Serra informou à organização do evento de que ele não participaria mais por problema de agenda. A candidata Marina Silva havia confirmado sua presença.”

Sem dúvida uma enorme falta de respeito com o eleitor! Isso sem falar com a organização do evento, com a candidata Marina Silva, enfim, uma fato lamentável! Fico me perguntando se os digníssimos candidatos acham que é assim que se faz campanha na web! Será que estão achando que porque possuem vários perfis nas principais redes sociais serão o Obama Brasileiro? Será? Acho que com essa falta de interação com o eleitor eu duvido que essa será a Eleição da Internet!

Disclaimer:

UPDATE:

Uma bela sugestão do amigo Roney Belhassof, vamos acompanhar aqui no dia 26/07 o que estarão fazendo os candidatos que justificou a ausência no debate. Vamos ver se a incompatibilidade de agenda é real ou uma desculpa esfarrapada!


1º Debate on-line com Presidenciáveis é cancelado was originally published in Eleitor Virtual on Medium, where people are continuing the conversation by highlighting and responding to this story.

O que funcionou para o Obama pode não (e não vai mesmo!!) funcionar para o Brasil

2010. As Eleições das mídias sociais!

É o que mais a gente lê e ou ouve por aí! Estamos no período de pré-candidaturas em buscas das alianças e o cenário político começa a se moldar e é inegável que o uso estratégico da Internet seja alvo do staff de cada candidato.

Eu pessoalmente acredito fortemente na rede como fonte de disseminação e discussão de temas dos mais variados possíveis, mas confesso que quando o assunto é política o meu desânimo impera.

É triste ver a chamada “Obamisação” do processo político. Há um descarado “copy paste” da campanha do presidente americano Barack Obama como caminho do Eldorado para as Eleições de 2010!! A sua campanha foi calcada em redes sociais, mas sobretudo muito bem articulada nos bastidores no sentido estratégico. Não faltou plano de governo bem pensado e o tradicional corpo à corpo. Não basta criar um dúzia de perfis nas redes sociais e sair postando cada movimento para motivar um eleitor a votar no candidato. É preciso conteúdo, e isso fica claro com o atual movimento que vemos até então.

Recentemente num encontro com vários blogueiros a pré-candidata Marina Silva conversou sobre a contribuição da internet na ampliação dos processos de transparência das ações de governo e conforme a repercussão no Twitter do próprio evento ficou claro que ela pouco falou. Já a pré-candidata Dilma Rousseff teve alguns episódios constrangedores na rede com estratégias mal pensadas o que quase culminou com o afastamento do seu coordenador Marcelo Branco.

O fato é que ainda não é possível fazer um raio-x dessa campanha sob a ótica das redes sociais, mas o que eu já posso adiantar é que o Brasil não é os Estados Unidos e nem está no mesmo cenário que o da eleição americana. E ao oficializar a candidatura da Dilma Russeff com uma logo inspirada no da vencedora campanha americana para mim é um mau sinal!


O que funcionou para o Obama pode não (e não vai mesmo!!) funcionar para o Brasil was originally published in Eleitor Virtual on Medium, where people are continuing the conversation by highlighting and responding to this story.

“Você é aquilo que faz, não aquilo que você diz”

Esse foi um trecho do emocionante discurso de Severn Suzuki na ECO 92, uma menina de 12 anos que fundou uma organização de crianças em defesa do meio ambiente e calou por 5 minutos os representantes de vários países com um relato verdadeiro e impactante sobre a realidade mais do que cruel do futuro do nosso planeta.

O mundo todo se calou para ouvir as palavras dessa menina na Conferência das Nações unidas para o Meio Ambiente e o Desenvolvimento. Mas o que fizemos pelo nosso planeta desde então? No encontro foi criada a Carta da Terra, um conjunto de três convenções (Biodiversidade, Desertificação e Mudanças Climáticas), uma declaração de princípios e a Agenda 21 (base para que cada país elabore seu plano de preservação do meio ambiente). Anos mais tarde tivemos o Protocolo de Kyoto em 1997, que fracassou esbarrando na necessidade de mudanças na sua matriz energética. Mas eu me pergunto, quanto tempo mais levaremos para nos preocuparmos verdadeiramente com o futuro do lugar onde vivemos?

Perceba que mesmo depois de 18 anos, todos os temas continuam atuais e nada efetivamente foi feito pelos nossos governantes. Em breve estaremos nas urnas mais uma vez. Seu canditado tem um plano de ação para o lugar onde seus filhos e netos irão morar? Assista o vídeo da Severn abaixo e pense nisso!

Outros links importantes sobre o assunto:


“Você é aquilo que faz, não aquilo que você diz” was originally published in Eleitor Virtual on Medium, where people are continuing the conversation by highlighting and responding to this story.

Bom senso ou foi mesmo censura?

Ninguém sabe ao certo!

Quem navegou pela web essa semana percebeu um movimento chamado #MeiguiceSerra e com certeza deu boas risadas! O site era o http://meiguiceserra.tumblr.com/ que era uma paródia da suspeita capa da Revista Veja do dia 21 de abril com o presidenciável, José Serra. E isso foi o que bastou para viralizar a Internet brasileira!

Vários usuários enviram fotos fazendo a mesma pose que o candidato tucano, outros uma pouco mais debochados, ou mais abusados e alguns nem tanto! A ideia era curtir com a cara da revista por quem sabe ter favorecido premeditadamente o distinto político, desfavorecendo a também candidata à Presidência, a ex-Ministra Dilma Russef que também saiu na capa da mesma revista, porém de forma mais “contida”. Tirem suas próprias conclusões nas imagens abaixo:

A questão é que ao ganhar expressão na rede, o movimento pró-Serra e pró-Dilma pressionaram muito a autora do blog, que resolveu por fim à brincadeira e colocou uma mensagem de exclarecimento e me pergunto que tipo de “força muito maior” a obrigou a tomar essa atitude! Seria bom senso ou foi mesmo censura? O que vocês acham?

Só para colocar mais lenha na fogueira eu deixo alguns links bem interessantes sobre o mesmo assunto.


Bom senso ou foi mesmo censura? was originally published in Eleitor Virtual on Medium, where people are continuing the conversation by highlighting and responding to this story.

Antes de votar é preciso fiscalizar

Muitos eleitores reclamam que não acreditam mais em política alegando que só há corrupção e que votar não dá mais!

O problema é que eles só se lembram que político existe apenas quando estão de frente para a urna. Votar significa eleger alguém que vai ser o seu “procurador”.
Não adianta reclamar que o político que você votou na eleição passada não fez nada. E você o que fez nesse sentido? Fiscalizou? Cobrou melhor desempenho? Não né!?

E foi pensando nessas questões é que Fernando Barreto e sua equipe desenvolveram o “Votar na Web”. Uma ferramenta muito útil para “ficar de olho nos políticos”!!

O vídeo abaixo é uma apresentação dessa aplicação web no evento TEDxSP que aconteceu no dia 14 de novembro de 2009.

E agora, vamos lá fiscalizar?

 

Democracia se faz com Educação de qualidade

 

No filme “Che: Part 1” (Steven Soderbergh) há uma cena muito interessantes que retrata muito bem o sentimento da Revolução Cubana de 56. Nela, Ernesto Che Guevara quando indagado o porque da luta armada e não por vias políticas ele dispara:

“A democracia só será realmente possível, quando o povo tiver educação para fazer as próprias escolhas. Enquanto isso não acontece, nós daremos ao povo a Democracia por meio da força”.

Por mais que eu seja contrário uma intervenção baseada em guerrilha, precisamos respeitar a essência dessas palavras e importância da ligação entre a Educação com a Democracia. Viver num País democrático significa poder fazer escolhas. Mas para isso, é preciso ter conhecimento, acesso à informação, enfim, ser “educado”.

Num passado não muito distante, um Governo do Rio de Janeiro implantou uma revolução na Educação. E esse modelo se perpetua até hoje, mas não com a mesma força da época. Estou falando dos CIEPs do governo Leonel Brizola e o seu Coordenador do Programa Especial de Educação, Darcy Ribeiro.

Hoje, se um político em seu discurso mostrasse algo próximo à esse formato, mas que fosse realmente possível, esse político teria meu voto!

Eu governo o meu País!

Ainda me lembro de quando fui tirar o meu Título de Eleitor. Era 1988 e eu tinha 16 anos na época. O voto era facultativo segundo a Constituição Federal recém estabelecida, mas eu fiz questão de fazer parte no futuro desse novo País.

De lá para cá, foram 11 eleições. Muitos vereadores e seus discursos de 5 segundos, Deputados Estaduais, Federais e Senadores “contando com o meu voto”; Prefeitos que depois foram Governadores e apenas um Presidente. Em toda a minha vida de Eleitor só votei num único nome. Luis Inácio “Lula” da Silva! Para mim, esse nome representa o meu Direito de escolha. De Nordestino retirante passando de operário à militante, depois fundador de um partido político de trabalhadores. Lula pra mim representa a mim mesmo como pessoa. Um cidadão comum que pode mudar um país.

Muitos criticam, outros idolatram, alguns fazem vista grossa, poucos ignoram. Lula é “o cara “, já disseram! O fato é que o processo democrático é algo novo no nosso País. Ainda engatinhamos quando o assunto é eleição. Poucos lembram os políticos que votaram no passado. Eu tenho a mesma experiência que o meu pai e o meu avô nessa questão. Ainda estamos escrevendo o destino de nossas ações. Se vamos bater no peito e bradar “eu estava lá quando o meu Presidente disse isso!” ou se diremos “me arrependi de ter votado nele” é algo que poderemos dizer talvez aos nossos filhos, ou netos.

A Democracia é um exercício. Um caminho, onde eu e o meu vizinho podemos andar em direções opostas, mas ainda sim, andamos! Para mim, o que está em questão é o meu Direito de escolher quem eu quero para governar o meu País. E eu respondo sempre: “Eu mesmo!”

Olá Sr. Político! 1ª vez por aqui?

O mundo mudou desde que a Democracia foi implantada no Brasil. E óbvio que o processo Eleitoral também.

O que não mudou foi a forma como a sua informação chega até mim na hora do voto! Porém, eu agora quero mudar esse comportamento.

  • Não quero mais ter a minha programação interrompida com o Horário Eleitoral Gratuito.
  • Não quero mais receber na minha correspondência o seu número e nome.
  • Não quero mais ver crianças, jovens e idosos segurando bandeiras tremulando a sua foto.
  • Não quero ver mais a minha cidade emporcalhada com tanto papel.
  • Não quero mais receber “santinhos” de última hora quando estiver me encaminhado para votar.
  • Não quero banda em comício, muito menos artistas famosos cantando o seu nome.
  • Não quero mais nada que se pareça como antes!…

Eu quero ouvir e ler o que eu preciso saber!

Meu voto está em aberto.

Não escolhi nenhum pré ou candidato.

Portanto é hora de saber o que eu preciso saber para que ganhe o meu voto!

“Sr. político, me convença e conquiste o meu voto!”